• Qual a melhor forma de gerir inovação? Eu voto no Scrum.

    Mão foto criado por jcomp - br.freepik.com

    Inovação é a ação ou o ato de inovar, ou seja, modificando antigos costumes, manias, legislações, processos e etc; efeito de renovação ou criação de uma novidade. O conceito de inovação é bastante utilizado no contexto empresarial, ambiental ou mesmo econômico.
    Inovação é um assunto que gosto muito de falar, pois é algo que precisa reger nossa vida, tanto pessoal como profissional. Sem contar que precisamos entender qual é o real significado de inovação, visto que o conceito é meio obscuro e causa confusão na maior parte do tempo.

    Inovar não significa que você precisa inventar algo totalmente novo o tempo todo. O nome disso é "disrupção", um conceito que vem permeando as conversas recentemente e posso falar um pouco mais dele no futuro. Inovar no grosso modo é modificar algo. Portanto, melhorar algo que já existe na sua vida ou no seu trabalho já é inovar.

    Então chegamos no ponto em que quero abordar nesse artigo, qual é a melhor maneira de gerir a inovação? 

    Meu TCC para a minha pós graduação tinha o seguinte tema: Gestão de Projetos de inovação utilizando Scrum. Não quero entrar aqui na abordagem técnica do scrum, quero apenas falar do motivo de eu entender que essa é a melhor metodologia para gerir com sucesso esse tipo de projeto.

    Tendo como base o conceito de que eu não preciso criar algo totalmente novo para que isso seja considerado inovação, ou seja, eu não preciso inventar uma nova forma de viajar para o espaço por exemplo, posso apenas melhorar uma parte de algum processo que me incomoda no meu trabalho e já estarei inovando.

    Qual a principal característica do Scrum? A mais marcante na minha opinião é que ele é dinâmico. Embora seja muito bem estruturado na sua essência e tenha uma forma predefinida para ser executado, ele permite que a cada iteração algo seja melhorado, portanto, ele tem no seu DNA o conceito de inovação.

    Eu acho bem óbvio que não há como executar algo imprevisível com um modelo de gestão previsível. Inovação é mudança, é algo totalmente desconhecido, como podemos planejar com exatidão algo que não sabemos como vai se comportar?

    Claro, que temos que levar em consideração o passado e como projetos parecidos se comportaram, para termos um ponto de partida, mas não há como prever o imprevisível, portanto eu acredito que o Scrum e sua maneira de permitir que as coisas sejam repensadas em toda sprint, é a forma mais segura de lidar com algo tão volátil.

    O scrum permite que diariamente você saiba como está o andamento do projeto e onde cada membro da equipe está no desenvolvimento da sua parte da atividade, isso dá um grau de segurança muito grande em projetos onde o novo é constante. 

    Na minha opinião, a clareza dos indicadores de evolução do Scrum é a chave do sucesso em projetos do tipo que estamos falando aqui. É fácil entender através de um board claro, com cards nas colunas corretas e com histórias de usuário bem escritas, onde está o desenvolvimento da solução. Ser auto explicativo é fundamental nessa situação. Eu acredito que um board kanban é como uma piada, se você precisa ficar explicando é porque é ruim.

    A reunião diária (daily scrum) e a retrospectiva (retrospective) assim como o review da sprint (sprint review) são formas muito eficazes de posicionar o time todo e os stakeholders sobre o andamento das coisas, sempre lembrando de respeitar quem pode e não pode participar de cada cerimônia, pois tudo tem um motivo para ser do jeito que é na metodologia.

    Se o time está alinhado, o stakeholder está posicionado e todo mundo está na mesma página, falando a mesma língua, a chance de uma surpresa ou de um problema desesperador é muito menor e mesmo que isso aconteça, não destruirá todo o progresso anterior e todas as entregas que já foram feitas.

    Falando de entregas, eu gosto do pensamento das pequenas entregas durante o desenvolvimento do projeto, é muito mais garantido que você entregará um produto relevante e atualizado no final, se você fizer as pequenas releases de tempos em tempos. Assim o cliente poderá avaliar o que está sendo feito, aprovar ou pedir melhorias e manter-se ajustado com o time garantindo que o quê está sendo desenvolvido, é a real necessidade final. É muito mais fácil arrumar pequenas coisas erradas do que refazer o projeto inteiro depois da entrega.

    O que estou dizendo aqui é verdade absoluta? Claro que não. Você pode ter sucesso utilizando outras formas de gerir projetos, porém eu queria defender aqui de que com Scrum, você terá maior facilidade em lidar com todas as dificuldades inerentes a um projeto inovador. Eu acredito que para esse tipo de trabalho funcionar você precisa de uma forma de gerir dinâmica, que te permita mudar e ajustar com frequência, exatamente o "core" do Scrum.

    Espero que eu tenha plantado a sementinha da curiosidade em você depois de ler esse texto e se tiver alguma dúvida, quiser conversar sobre o assunto, estou sempre à disposição aqui através dos comentários ou nas redes sociais, sinta-se à vontade em me procurar.

    Até a próxima e fiquem seguros! 

  • You might also like

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário