• Freestyle Libre (Link) - Como uma solução de IoT transformou minha vida



    Sim, transformou.

    Sei que o título parece sensacionalista, mas de verdade, não é. O Freestyle Libre transformou minha vida e como uma pessoa que ama pesquisar e aprender sobre Internet das Coisas, me sinto na obrigação de assumir meu lugar de fala e explicar como uma solução derivada da transformação digital revolucionou a forma como eu cuido da minha saúde.

    Quem me conhece sabe que eu gosto de falar sobre tecnologia real, que transforma vidas de verdade e não aquela história de automatizar a abertura da porta de casa com uma Raspberry Pi. Nada contra, todo mundo precisa iniciar o aprendizado partindo de algum lugar, mas IoT não se resume a esse tipo de solução que cria um problema para poder resolvê-lo, afinal não é muito mais fácil abrir a porta com a chave?

    O vídeo abaixo é capaz de ilustrar bem o que eu disse acima.


    Tecnologia precisa de um propósito para existir e dentro desse conceito eu não consigo pensar em uma solução mais relevante quanto o Libre. Eu acredito (e desejo, concorrência é sempre bom para reduzir preços) que outras soluções devem seguir o caminho da Abbott e despontar para o mercado em breve.

    Eu sei que é difícil para quem não é diabético ou não tem algum parente ou amigo que é, entender a rotina de quem precisa ter um controle rigoroso da glicose no sangue, portanto antes de prosseguir com a explicação do device, quero que assistam o vídeozinho abaixo para entender melhor o que é  o diabetes:



    Conhecimento nivelado? Certo, então vamos falar um pouco da minha rotina, para vocês entenderem como o Libre de fato melhorou minha qualidade de vida.

    - Ao levantar, preciso medir meu nível de glicose no sangue para saber se está tudo certo, se preciso me atentar a hipoglicemia ou hiperglicemia (1 furada na ponta do dedo);

    - Tomo a insulina basal (que age de background no meu organismo durante todo o dia);

    - Tomo café e conto carboidratos para tomar insulina de ação ultra-rápida (que vai manter meus níveis de glicose estáveis);

    - 2 horas após o café, preciso medir a glicose novamente para saber se está tudo certo e se não preciso corrigir (+1 furada no dedo);

    - Antes do almoço preciso medir a glicose novamente, contar carboidratos da minha refeição, aplicar insulina ultra-rápida (que novamente vai mater meus níveis de glicose estáveis e +1 furada nos dedos);

    - 2 horas após o almoço preciso medir a glicose novamente para saber se está tudo certo e se não preciso corrigir (+1 furada nos dedos);

    - Antes de qualquer lanchinho à tarde preciso medir glicose, contar carboidrato e aplicar insulina (+1 furada no dedo);

    - Antes do jantar, meço glicose, conto carboidrato e aplico insulina ultra-rápida (+1 furada no dedo);

    - 2 horas após o jantar, confiro a glicose novamente (+1 furada no dedo);

    - Antes de dormir, meço glicose pela última vez no dia, tomo insulina basal (para manter tudo certo durante toda a noite) e faço um lanche para evitar hipoglicemia durante o pico das insulinas na madrugada. Conto carboidrato do lanche, aplico ultra-rápida e vou dormir (+1 picada no dedo);

    Contou quantas vezes preciso furar o dedo durante todo o dia? Num dia normal: 8 furadas!

    Se acontecer hipoglicemia, que é baixa taxa de açúcar no sangue, outras furadas entram nessa lista.

    Agora pare e pense que você tem apenas 10 dedos nas mãos, 8 furos todos os dias, chega um tempo que a sensibilidade dos dedos vai para o espaço, sem contar que é extremamente inconveniente todo o aparato que precisamos montar para fazer o teste de ponta de dedo, vou confessar aqui, me desestimulava e eu acabava não medindo todas as vezes que eu precisava.

    Nunca viu um teste de ponta de dedo tradicional? Deixo um vídeo abaixo para você entender melhor:


    É errado, eu sei, mas era difícil e eu cedia e não fazia o tratamento como deveria ser feito, embora eu tenha um ótimo controle e nenhuma complicação derivada do diabetes ainda. Mas eu sentia que meu controle poderia ser muito melhor.

    Quando conheci o Freestyle Libre, eu sabia que era o que eu precisava para ter um controle mais eficiente da minha doença.

    O Libre é uma solução padrão de Internet das Coisas: Device + Cloud + Insights.

    O device que é o sensor que fica acoplado ao braço do paciente, coleta e envia informações através de Cloud Computing que processa a informação e retorna em tempo real em forma de insight (valor da glicose no sangue), sem precisar furar o dedo, sem precisar da famosa gotinha de sangue que os glicosímetros tradicionais exigem.

    Mas o que é Internet das Coisas? Bora entender com mais um vídeo:


    Muita gente duvida que IoT seja realmente um conceito válido e útil e eu até entendo, dada a quantidade surreal de coisas que simplesmente não servem para nada nesse universo, mas é diante desse tipo de solução que de fato tem potencial transformador que eu digo que Internet das Coisas é muito mais que plaquinhas e leds.

    O Freestyle Libre não só é capaz de medir a glicose no sangue sem a necessidade dos furos frequentes, como gera uma série de insights e relatórios que ajudam quem usa e o médico a controlar e entender como a glicose no sangue do paciente se comporta até mesmo quando ele está dormindo. Já há inclusive aplicativos que emitem alertas quando a glicose sobe ou cai demais, já que em ambos os casos medidas urgentes precisam ser tomadas.

    No meu caso, eu passei a controlar minha alimentação, minha ingestão de carboidratos e minhas doses de insulina de maneira muito mais fácil, agora eu posso medir minha glicose em qualquer lugar de maneira bem mais discreta e posso entender em quais momentos eu preciso ajustar as doses de medicação.

    Isso vai me permitir viver mais e com muito mais qualidade de vida.

    Não é a primeira vez que falo dessa tecnologia, mas se você ainda não conhece, deixo abaixo um vídeo rápido de como tudo isso funciona:



    Além de todas as vantagens que eu listei acima, sendo a principal delas a oportunidade de verificar rápida e discretamente os níveis de glicose em qualquer lugar e a qualquer momento, o aplicativo LibreLink ainda traz a variação da glicose, ou seja, ao lado do valor da glicose, você tem uma setinha que te diz se esse valor está subindo, estável ou descendo. Em caso de hipoglicemia, isso é incrívelmente útil, pois me diz se preciso comer um doce rapidamente para evitar desmaiar por falta de açúcar no sangue por exemplo. Ou se após o período pós-prandial de uma refeição (+- 2 horas depois) a minha glicose está subindo muito rapidamente, portanto preciso aplicar uma dose de insulina para correção.

    O aplicativo também traz uma estimativa de Hemoglobina Glicosilada, que traça o real perfil de como sua glicose está se comportando durante todo o seu dia, isso vai te ajudar a entender se suas doses de insulina ou sua dieta precisam ser ajustadas.

    Os gráficos e o seu diário ajudam a eliminar a necessidade de anotações para levar ao médico e simplifica a transferência dessas informações através de tecnologia, mais fácil e mais confiável.

    Há duas formas de ler o sensor, usando o aplicativo para celular e usando o leitor do Freestyle Libre. Ambos são práticos, eu uso o celular, pois ele já anda comigo em todos os lugares de qualquer forma.

    Acabei de encerrar o segundo ciclo com o sensor, já que cada um dura 14 dias e posso dizer que me encontrei numa forma de tratamento muito mais tranquila e que me dá muito mais controle, não é só a questão de eliminar as furadas nos dedos diárias, é a tranquilidade de medir sempre que eu acho que algo não está certo, sem ter que abrir uma bolsa e tirar uma série de itens que em determinados lugares é simplesmente inviável. Com o Libre eu faço as medições em absolutamente QUALQUER LUGAR. No metrô, na minha mesa no trabalho, durante uma reunião que está demorando mais que o previsto e pode me causar uma hipoglicemia, ou seja, o controle se torna muito mais eficaz.

    Já sinto os benefícios de um controle mais rigoroso e de ter minhas taxas mais perto do normal, maior disposição física, mais facilidade de controlar meu peso, minhas taxas de hemoglobina glicosilada já caíram desde que comecei a usar a tecnologia, enfim, minha qualidade de vida melhorou em muito pouco tempo.

    Falando um pouco mais tecnicamente sobre o Libre.

    O sensor do Freestyle Libre é uma etiqueta de RFID (Radio Frenquency Identification) ou identificação por rádio frequência. Se você quiser entender como a tecnologia funciona, esse vídeo curto abaixo fala genericamente e vai te ajudar a entender como a solução funciona:


    Esse sensor pode ser lido de duas maneiras, através do leitor próprio para o Libre (que parece um glicosímetro comum), ou pelo celular que precisa ser equipado com a capacidade de leitura NFC (Near Field Communication).

    O sensor fica colado no braço do usuário por 14 dias, portanto é apenas um furinho praticamente indolor durante a instalação, que é super simples por sinal e depois disso você vai esquecer a etiquetinha no braço e só vai se lembrar dela quando precisar medir a glicemia. Acredite em mim, é muito mais fácil e melhora muito a vida de quem tem diabetes. Acho que já disse isso um monte de vezes aqui né? É que é tão legal que eu não consigo parar de falar sobre 😂.

    Bora ver como funciona se você nunca navegou pelas minhas redes sociais onde falo sobre isso insistentemente?


    Mas é claro que nem tudo são flores, há percalços nessa jornada.

    O preço é o principal deles na minha opinião. Cada sensor custa R$ 239,00 e é encontrado em apenas uma rede de farmácias no Brasil. Como você vai usar dois sensores por mês, essa conta ainda é bem salgadinha e inviabiliza a solução para a maioria das pessoas.

    O sensor ainda é um pouco grande, mas acredito que a evolução na tecnologia e nas pesquisas vai melhorar isso em breve, não que ele me incomode nesse momento, porque sinceramente não faz.

    Eu poderia continuar falando sobre isso aqui por dias, mas vou encerrar o post aqui, que já ficou bem grande por sinal e se você quiser informações ou precisar de qualquer tipo de ajuda, não tenha medo de entrar em contato comigo, ajudarei com prazer.
    O que achou da solução? Espero que tenha gostado e que meu post tenha agregado ao seu conhecimento.

    Até a próxima!

  • You might also like

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário